­

Comentando no seu jornal no dia 6 de julho de 1739 sobre uma conversa que ele tinha com Whitefield a respeita das manifestações do Espírito Santo, Wesley escreveu:

Eu tive uma oportunidade para falar com ele desses sinais externos que têm tão freqüentemente acompanhados a obra interior de Deus. Eu achei que as suas objeções foram fundamentadas principalmente em distorções totais do assunto de fato. Mas no dia seguinte ele teve uma oportunidade de se informar melhor: pois assim que ele tinha começado (na aplicação do seu sermão) a convidar todos os pecadores a crer em Cristo, quatro pessoas caíram perto dele, quase no mesmo momento. Um deles ficou sem senso nem movimento. Um segundo tremeu excessivamente. O terço teve convulsões fortes por toda parte do seu corpo, mas não fez nenhum barulho a menos que através de gemidos. O quarto, igualmente convulsionado, clamou a Deus com  fortes gritos e lágrimas. Desde agora, confio eu, todos nós iremos permitir que Deus continuasse a Sua própria obra do modo que O agrada.

Whitefield, falando sobre o mover no início de 1739:

Realmente era uma estação de Pentecoste. Às vezes noites inteiras foram gastas em oração. Freqüentemente nós estivemos cheios como de vinho novo, e freqüentemente eu os vi subjugados com a Presença Divina, e clamando, "Mas, na verdade, habitará Deus com os homens na terra? Quão terrível é este lugar! Este não é outro lugar senão a casa de Deus; e esta é a porta dos céus!"

Citado no livro "The History of Revivals of Religion" por William E. Allen

 

­